Renan Filho é indagado sobre mudança de comando na Saúde e responde: só depende da secretária

b32afbaa-0e73-44c8-a4ca-02987b259ce5

Onde há fumaça há fogo? Em geral, a resposta é “sim”. Por que chamo atenção para o velho dito popular? Bem, estão surgindo conversas de bastidores e notas na imprensa que dão conta de que a primeira mudança de comando de pasta na gestão do governador Renan Filho (PMDB) será na Saúde.

Os comentários são de que o chefe do Executivo estaria pensando em tirar a secretária Rosângela Wyszomirska. A estratégia – como chamou atenção o jornalista Davi Soares, em seu blog aqui no CadaMinuto – seria a de “fritá-la” e aguardar a renúncia, para não se ter o clima de substituição pelo próprio governador.

O governador nega que haja este tipo de coisa.

Afinal, a indicação de Wyszomirska veio da cota pessoal do governador. É uma das pastas em que o governador mais quer resultados imediatos. Recentemente, em uma coletiva de imprensa, Renan Filho foi indagado sobre mudanças no secretariado em 2016. O nome de Rosângela Wyszomirska foi citado.

O chefe do Executivo foi questionado se ela permaneceria no comando da Saúde no segundo ano de governo. A resposta de Renan Filho foi: “só depende dela”. O peemdebista não disse nem sim, nem não. Jogou a responsabilidade de estar à frente do comando da Saúde para a própria titular, mas ao mesmo tempo elogiou o trabalho de Rosângela.

De acordo com Renan Filho, nunca houve crítica a secretária: nem em entrevistas, nem em conversas privadas. “É que às vezes colocam palavras na minha boca na imprensa, mas as palavras que eu digo de fato são estas aqui. A imprensa escreve coisas injustas e a secretária tem sido competente e companheira”, salientou.

O governador – entretanto – frisou que tem feito cobranças naturais à pasta, como a “descentralização das ações”. “Estamos trabalhando de forma despolitizada como eu prometi. Tenho um foco muito grande em ações da Saúde e da Educação. E o foco não é no interesse político, mas no interesse da população. Na Saúde, foi uma indicação pessoal”.

Um dos repórteres indagou se ele se arrependia da indicação feita. Renan Filho foi enfático: “não me arrependo. Precisa avançar mais, mas o trabalho está sendo feito”.

Ao que tudo indica, o ano de 2016 não trará mudanças no primeiro escalão do governo. Até mesmo a secretária de Cultura, Melina Freitas, que vem sendo alvo de protestos em eventos nos quais comparece, tem sido sustentada no cargo pelo governador que ainda a enxerga como uma promessa dentro da gestão.

Cada Minuto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *