Estranho caso dos MENINOS SOLARES deixa médicos perplexos no Paquistão

O caso de dois irmãos paquistaneses conhecidos como “meninos solares”, que durante o dia levam uma vida normal, mas ficam paralisados quando o sol se põe, deixou os médicos do país perplexos.

Shoaib Ahmed e Abdul Rasheed, de 9 e 13 anos, jogam críquete, passeiam e levam uma vida normal durante o dia, mas sofrem desde que nasceram com uma estranha doença que lhes paralisa quando o sol se põe, o que os impede de realizar diversas atividades, como comer e ir ao banheiro.

“Isso ocorre desde o nascimento. Quando o sol desaparece, eles ficam paralisados. Espero que meus filhos possam andar à noite em breve”, disse à Agência Efe Mohammed Hashem, pai dos meninos e original de um povo nas cercanias da cidade de Quetta.

Em seu povoado de Mian Kundi, os moradores começaram a chamar as crianças de “meninos solares”.

Hashem tem seis filhos: Shoaib, Abdul e um terceiro de um ano de idade afetados pelo estranho mal, um quarto homem que não sofre com a doença e duas meninas que também não a possuem.

Outros dois filhos homens morreram pouco depois do nascimento.

Segurança de uma universidade, Hashem levou seu filho Abdul ao hospital quando este tinha dois anos, sem que a doença tenha sido diagnosticada e sem meios para viajar ou pagar um melhor centro hospitalar, não pôde fazer nada.

Mas o caso dos “meninos solares” chegou, através da imprensa, aos ouvidos dos médicos do governamental Instituto de Ciências Médicas do Paquistão (PIMS, por sua sigla em inglês) de Islamabad, que se ofereceu para custear uma pesquisa para tratar os pequenos.

ng6723166

No início de mês, os meninos foram internados neste centro e por enquanto não sabem quando terão alta.

“É um grande desafio. Não entendemos bem a doença. Após realizar mais de 300 exames, descobrimos que se forem fornecidos neurotransmissores, o estado deles melhora pela noite”, indicou à Efe o reitor adjunto do PIMS e professor de medicina, Javed Akram.

O médico enviou os exames a 13 instituições médicas internacionais, entre elas a Clínica Mayo e o Instituto Hopkins, nos Estados Unidos, e o Hospital Guys, no Reino Unido.

Os indícios apontam por enquanto para uma doença genética, que só ocorre em homens e que pode ter origem no fato de o pai e a mãe serem primos, uma prática habitual no Paquistão.

“Estamos explorando a genética da família, do pai, da mãe, do filho de um ano também afetado, das irmãs que não sofrem sintomas, parentes próximos e as circunstâncias ambientais, como a água e a terra de seu povoado”, afirmou Akram.

Para isso, mandaram ao povoado da família uma equipe de pesquisadores, que está recolhendo amostras ambientais e analisando os parentes.

O médico disse que trata-se uma nova doença, desconhecida até agora, e que em breve serão descobertas suas causas e o tratamento adequado.

UOL