Casal trabalha para melhorar abastecimento de Piaçabuçu

Problema foi provocado por novas reduções na vazão do rio em novembro e dezembro

A nova redução da vazão do Rio São Francisco de 750 m³/s para 700 m³/s agravou a situação do abastecimento de Piaçabuçu. É que, com o avanço da cunha salina, a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) voltou a ter dificuldades em realizar o tratamento da água.

A Casal já havia adotado, desde junho, um regime de captação favorecendo os horários de maré baixa. De acordo com o vice-presidente de Gestão Operacional da companhia, Francisco Beltrão, essa medida foi tomada para que o líquido tratado e distribuído tivesse um teor mínimo de salinização. A redução mais recente, contudo, fez a salinização do rio se agravar.

Para solucionar o problema de abastecimento definitivamente, a Casal elaborou um projeto de ampliação da estação de captação e da estação de tratamento de água (ETA) que atendem ao município. A proposta também prevê a implantação de um reservatório pulmão.

Com as novas instalações, a companhia ampliará o bombeamento, a reservação e o tratamento de água de modo a compensar o período em que o sistema é paralisado devido ao excesso de sal no rio São Francisco. O projeto foi encaminhado ao Ministério da Integração Nacional. A Casal aguarda agora a aprovação dos recursos para a realização das obras.

Como medida de curto prazo, a empresa intensificou o monitoramento dos níveis de sal contido na água do rio e solicitou à Defesa Civil Estadual a disponibilização de carros-pipa para reforçar o abastecimento de Piaçabuçu.

No transcorrer de 2016, a Chesf operou duas reduções majoritárias na vazão do rio São Francisco. A primeira, efetuada no primeiro semestre do ano, fixou o nível do rio em 800 m³/s. A redução mais recente teve início em 21 de novembro — quando a vazão foi reduzida a 750 m³/s. Na última segunda-feira (12), a vazão foi mais uma vez diminuída em 50 m³/s, passando para 700 m³/s.

De acordo com a Chesf, a medida foi tomada em decorrência da diminuição do nível da barragem do Sobradinho, na Bahia. Segundo a empresa, o reservatório chegou a 6% da sua capacidade total de armazenamento.

Francisco Alves-Ascom/AL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *